Ana Cláudia: “Minha filha estava muito parada, sem fazer nada, e agora ela vai poder escrever”

Ana Claudia é uma mulher de 30 anos, mãe solteira de duas filhas: Naila, com 5 anos, e Ana Clara, de 12. Natural da Bahia, ela trabalha como diarista desde os 18. Começou acompanhando a mãe, também diarista, e logo seguiu o mesmo caminho.

“Sempre fui diarista. Eu estava, desde 2017, me dividindo entre as diárias como faxineira e cozinheira. Em março deste ano, por conta da pandemia, comecei a perder as diárias, até que não restou nenhuma”, conta.

Apesar da falta de emprego e de ter que contar com as doações para garantir o alimento na mesa, a maior preocupação de Ana Claudia, que estudou apenas até o Ensino Fundamental, tem sido com a educação de suas meninas. Sem frequentar a escola desde março, Ana Clara, a filha adolescente de 12 anos, reclama do tédio que sente ao enfrentar dias a fio sem muitas atividades além da televisão e das tarefas domésticas.

Com a Caixa de Ternura, Ana Clara ganhou opções de entretenimento no tempo de isolamento social (Foto: Gabriel Dias / Visão Mundial Brasil)

Ao receber a caixa de ternura da Visão Mundial, com materiais de pintura, brinquedos educativos, revistas de colorir e outros materiais escolares, a menina afirma que agora vai poder aproveitar melhor seu dia. “Agora eu vou poder aliviar minha mente. Vou escrever, pintar, brincar com minha irmã nessa quarentena, que não estou indo para a escola”, conta. Segundo a mãe, Ana Clara se queixa da baixa concentração na tentativa de acompanhar as aulas online na pequena tela de um celular usado que ganhou do pai.

A história de Ana Claudia e suas filhas traduz uma realidade presente não só no Brasil, mas em todo o Mundo. Pelo menos 85 países fecharam escolas em todo o território para tentar conter a disseminação do novo coronavírus. A medida teve impacto em mais de 776,7 milhões de crianças e jovens, segundo a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

A campanha da Visão Mundial “Juntos pelas Crianças contra o Covid-19” tenta aliviar esse período de confinamento doando milhares de cestas básicas, kits de higiene e as Caixas de Ternura, que ocupam as crianças e reaproximam as famílias. Em Salvador, 470 famílias como a de Ana Claudia, já foram beneficiadas.

Texto: Ana Luz / Visão Mundial Brasil
Fotos e vídeos: Gabriel Dias / Visão Mundial Brasil