Com WhatsApp da Ternura, Visão Mundial leva conselhos terapêuticos a milhares de famílias e alivia os impactos das mudanças causadas pela pandemia

Em resposta à emergência causada pela pandemia global de COVID-19, a Visão Mundial tem trabalhado em diversas frentes. Além do fornecimento de itens de necessidade básica e urgente a milhões de pessoas, como cestas básicas e kits de higiene e limpeza, a organização também tem dado atenção especial à saúde e ao bem estar emocional das famílias no momento de pandemia. Foi pensando em pais, mães e cuidadores que convivem com crianças em época de isolamento social que a Visão Mundial criou o WhatsApp de Ternura.

Lançado em maio, o WhatsApp da Ternura é um canal de apoio por onde são enviados conselhos terapêuticos e dicas para ajudar famílias a lidar com a nova realidade imposta pela pandemia. Um dos exemplos corriqueiros que chegam ao serviço é como conciliar o trabalho remoto com afazeres domésticos e a atenção a crianças, que estão sem aulas e com os pais o dia todo em casa. “O problema da sobrecarga feminina, que já muito comum, tem sido muito agravado em tempos de pandemia”, afirma Caroline Marques, psicóloga da Visão Mundial que atende a maior parte dos acessos ao serviço. Para esses casos, ela costuma dar dicas de como inserir as crianças nas tarefas domésticas de forma lúdica, sem que isso se torne mais um peso.

Beatriz, de Belo Horizonte, é um desses casos. Mãe de duas crianças, ela tenta se dividir entre as tarefas domésticas, dar atenção aos filhos que estão há meses sem frequentar a escola e, ao mesmo tempo, cumprir o expediente de trabalho em regime de “home office”. Ela recebeu um panfleto com o número do WhatsApp da Ternura dentro da cesta básica que recebeu da Visão Mundial, e resolveu pedir ajuda. “Essa angústia que a gente está vivendo é uma coisa que durante a minha vida toda eu nunca havia passado. Eu não estava sabendo como lidar com essa situação, estava me sentindo muito sobrecarregada, e isso me levou a fazer o primeiro contato”, relata Beatriz que, aos 43 anos, cuida sozinha do Gustavo, de 11 anos e do Miguel, de 5.

“Essas dicas têm me ajudado a reelaborar os horários e a dividir as tarefas que antes ficavam todas concentradas em mim”, afirma Beatriz que, depois de ter acesso aos conselhos terapêuticos pelo WhatsApp, já conta com a ajuda dos dois meninos para conseguir trabalhar. “Eu acordo cedo porque meu expediente começa às 8h. Como eles estão acordando após eu iniciar o expediente, já coloco o mais velho para arrumar a mesa do café para o mais novo e para ele. Assim que terminam, um limpa a mesa e o outro varre a cozinha. Com isso, eu não fico parando para ter que fazer tudo e consigo conciliar mais as atividades”, explica.

Segundo a psicóloga Caroline Marques, a procura pelo WhatsApp da Ternura tem aumentado. “Na última semana de junho, houve um crescimento significativo no número de novos acessos. Foram 50 novos interessados só na última semana do mês, mais de 2 mil mensagens enviadas com pedidos por ajuda. Todos os dias tem gente nova chegando”, afirma.

Os primeiros testes do serviço foram realizados em maio, com um grupo menor de pessoas atendidas nos estados onde a Visão Mundial tem projetos e parcerias com comunidades, principalmente da região Nordeste. A partir das divulgações nas redes sociais da Visão Mundial, o serviço agora alcança todo o Brasil. E o sucesso da iniciativa fez com que a Visão Mundial criasse um número de WhatsApp da Ternura específico para o atendimento em espanhol que, a partir de Roraima, alcança, em sua maioria, migrantes que a Visão Mundial já acompanha por meio de programas emergenciais e de acolhimento.

Para ter acesso ao auxílio terapêutico que o WhatsApp da Ternura disponibiliza, basta enviar “Olá” para o número (11) 98810-0140, para atendimento em português, ou (95) 8401-0626 para atendimento em espanhol. Na sequência, a pessoa receberá um link para preencher um formulário e, uma vez preenchido, terá dicas diárias e poderá interagir com a psicóloga que atende ao serviço, sempre dentro do horário de atendimento diário, que é de 9h às 17h.

Texto: Ana Luz / Visão Mundial Brasil
Foto: Álvaro Júnior / Visão Mundial Brasil