Visão Mundial promove Chá de Bonecas para ensinar adolescentes socioeducandas a se proteger do abuso sexual

Uma tarde emocionante para 20 jovens socioeducandas no Recife. Foi assim o primeiro Chá de Bonecas promovido ontem (19/07) pela Visão Mundial, no Centro de Ação Socioeducativa (CASE) Santa Luzia. Meninas de 14 a 20 anos aprenderam sobre prevenção ao abuso sexual e outras formas de violência contra crianças e adolescentes, e para isso, foram utilizadas como instrumento lúdico e educativo, bonecas de pano confeccionadas por artesãs pernambucanas.

O Chá de Bonecas foi realizado pelo movimento Mulheres de Visão, da Visão Mundial, sob a coordenação nacional da pastora Siméa Meldrum, e contou com importantes parcerias, como a Igreja Apascentar; a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB); a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) e o Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA); representado por Giselly Pereira, chefe da unidade de prevenção, e Jeanne Aguiar, coordenadora do núcleo de enfrentamento ao tráfico de pessoas.

A ação teve como objetivo desenvolver nas socioeducandas o autoconhecimento, a autoestima e o fortalecimento de vínculos afetivos, já que em grande parte dos casos, as adolescentes tiveram contato com situações de violação de direitos em suas comunidades, e até mesmo, dentro da própria família. As adolescentes se emocionaram ao receber de presente as bonecas de pano fabricadas pelo grupo de artes Garotas Criativas.

“A arte tem sido uma grande aliada não apenas para despertar talentos, mas para prevenir a violência e restaurar a dignidade de muitas adolescentes e jovens”, relatou Jeanne Aguiar, coordenadora do grupo Garotas Criativas e do núcleo de enfrentamento ao tráfico de pessoas da DPCA.

Uma das parceiras do Chá de Bonecas foi Giselly Pereira, chefe de unidade da prevenção da DPCA. Para ela, as bonecas podem ser as melhores amigas das meninas, e também, da prevenção ao abuso sexual. “No trabalho de enfrentamento à violência que fazemos junto com as redes de proteção à infância e o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente, é muito importante as meninas de autoconhecerem, e as bonecas são um importante instrumento de defesa e de comunicação da violência em palavras”, disse Giselly.

No final do evento, um delicioso lanche foi oferecido pelo Buffet Dayse Nogueira e o Movimento Procriança se apresentou com sua orquestra, fechando a tarde com chave de ouro.

O CASE Santa Luzia é a única unidade de internação feminina de Pernambuco para adolescentes de 12 a 21 anos que cumprem atendimento socioeducativo em meio fechado. Lá, as adolescentes têm acompanhamento educacional, médico e psicológico. Segundo a psicóloga e advogada Lygia Vasconcelos, diretora do CASE, a grande maioria das socioeducandas já foi vítima de violência na família, principalmente o abuso sexual. Por consequência, as adolescentes cometem atos infracionais graves, como homicídio, latrocínio e tráfico de drogas, e por isso, são encaminhadas à unidade após receberem a sentença judicial.

“O apoio, sobretudo emocional, a essas meninas e suas famílias, além da educação, são ações fundamentais para que o ciclo da violência seja quebrado. O Chá de Bonecas realizado pelo movimento Mulheres de Visão é uma grande ação de empoderamento das nossas meninas. A parceria com a Visão Mundial nos traz expectativas muito positivas, não apenas para o enfrentamento ao abuso sexual que traumatizou a maiorida dessas socieducandas, mas para que o amor de Deus toque no coração de cada uma delas, trazendo alívio e esperança de transformação para o futuro”, contou Lygia Vasconcelos, diretora do CASE Santa Luzia.

A ideia de utilizar bonecas de pano para ensinar a prevenção à violência sexual infantil surgiu com a educadora paranaense Neide Lunas. O método, que mostra a diferença entre carinho e abuso, é apresentado de forma lúdica, sem constranger ou assustar. As bonecas de pano têm duas faces, uma feliz e outra triste, com o objetivo de orientar a criança sobre os tipos de toque que ela deve aprender a identifica e se afastar, e a partir da interação com a boneca, a criança sinta liberdade e segurança para relatar experiências e traumas.

Veja a galeria de fotos do Chá de Bonecas:

Deixe uma resposta