Visão Mundial Brasil atende população indígena migrante em resposta à COVID-19

Nesta quinta-feira (16), manchetes de jornais de várias partes do mundo estamparam notícias tristes. Um bebê indígena Warao, com apenas dois meses de idade, apresentou resultado positivo para o Novo Coronavírus. O menino vive em um abrigo para imigrantes venezuelanos na cidade de Manaus.

Desde os primeiros casos de COVID-19 no Brasil, a Amazônia tem enfrentado um número crescente de mortes devido à pandemia, sendo o estado da Região Norte com a maior taxa de mortes causadas pela doença. Os hospitais já operam em um sistema de colapso e Manaus é uma das capitais brasileiras com as estatísticas mais sérias de enfrentamento da pandemia.

A Visão Mundial Brasil desenvolve em Manaus o projeto “Ven, Tú Puedes – Empregabilidade e Empreendedorismo para Refugiados e Migrantes Venezuelanos”, com o registro de 160 beneficiários. Felizmente, entre eles não há casos de contágio ou sintomas de risco do COVID-19. Os venezuelanos que participam do projeto recebem frequentemente informações por parte da organização sobre a prevenção do coronavírus, durante o período em que as atividades estão suspensas devido ao distanciamento social imposto pelas autoridades de saúde.

Como uma de suas iniciativas iniciais para responder ao COVID-19 no Amazonas, a Visão Mundial Brasil levará 1.500 kits de higiene para famílias e 500 Caixas de Ternura, que contêm materiais educacionais e recreativos para crianças. A ação começará em abril e conta com o apoio de sete parceiros locais. São eles: Igreja Presbiteriana de Manaus, CEMEAR, Caminho Seguro, Mundo para Cristo, Alas de Ayuda, Oásis e Artes Cristianas.

Desde o início da crise migratória em Roraima, a Visão Mundial Brasil segue trabalhando com a população indígena venezuelana dos grupos étnicos Warao, Enapa, Pemon e Tau-Repan e atualmente atende 619 meninos e meninas migrantes indígenas que vivem nos abrigos Kaubanoco (Boa Vista), Janokoida e Pemon (Pacaraima).