Nota pública de Visão Mundial e Movimento Jovem de Políticas Públicas (MJPOP): Nenhuma vida deve valer menos que outra

A ação policial que vitimou o adolescente João Pedro, de 14 anos, dentro da própria casa na última segunda-feira (18) no Rio de Janeiro, não é um caso isolado. A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. São mortes violentas que possuem nome, sobrenome e endereço – a maioria em comunidades e periferias de grandes centros urbanos. São mortes que não podem ser banalizadas, são vidas que não deveriam ter menos valor.

A Visão Mundial, por meio do Movimento Jovem de Políticas Públicas (MJPOP), solidariza-se com familiares de João Pedro. Também manifesta-se publicamente com preocupação frente às mortes violentas de jovens no Brasil e ao risco eminente de aumento nessas estatísticas durante o isolamento social necessário para frear a pandemia de COVID-19. Estimativas divulgadas pela organização na última semana apontam que, em todo o mundo, 1 bilhão de crianças já estão expostas a diversas formas de violência. Com a concentração das atenções dos sistemas e serviços para a resposta à pandemia, outras 85 milhões poderão ser somadas a esta estatística. É necessário frear essa escalada de violência, que afeta diretamente e em maior intensidade, crianças, adolescentes e jovens que já vivem em situação de vulnerabilidade.

Compreendemos o papel e a importância das polícias no país, mas também lembramos o compromisso assumido junto ao Comitê para Prevenção de Homicídios de Adolescentes no Rio de Janeiro. A iniciativa, da qual Visão Mundial participa ao lado de organizações da sociedade civil e instituições do governo, possui o compromisso público de proteger a vida de cada menina e menino, de prevenir homicídios e de priorizar a investigação de todas as mortes violentas de crianças e adolescentes no Rio de Janeiro. As polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro também assumiram publicamente esse compromisso.

É preciso colocar o compromisso assumido no Rio de Janeiro em prática, seguir os critérios e protocolos legais já existentes. É preciso priorizar a vida de nossas crianças e jovens e evitar que mais mortes violentas se repitam. Não podemos aceitar que ações violentas e letais sigam escolhendo quem vive e quem morre no Brasil. A construção da paz não deve incluir a violência.

One Reply to “Nota pública de Visão Mundial e Movimento Jovem de Políticas Públicas (MJPOP): Nenhuma vida deve valer menos que outra”

  1. Tatiane Anjos says:

    Parabéns ao MJPOP Brasil e a Visão Mundial pelo posicionamento, precisamos juntos pensar e monitorar políticas públicas de Segurança Pública e efetivar nosso papel em quando defensora de Direitos Humanos Vamos a Luta e nem um passo atrás.

Comentários fechados.