Pastor Gedeão: Não podemos desistir das pessoas, era isso que Jesus faria se estivesse no meu lugar

Pastor Gedeão com sua família e os migrantes acolhidos por ele

A crise econômica, política e social na Venezuela acelerou o êxodo de milhares de cidadãos venezuelanos que buscam melhores condições de vida nos países vizinhos. No Brasil, o estado de Roraima é a principal porta de entrada desses migrantes que chegam ao País pela cidade fronteiriça de Pacaraima. A presença dos venezuelanos em Roraima tem trazido dificuldades para a população local e gerado protestos, devido ao número de migrantes que vivem em situação de rua e sobrecarregam serviços públicos, como a Saúde e a Educação. No entanto, muitos brasileiros estão dispostos a estender a mão, oferecendo a eles abrigo e novas oportunidades de reconstruir a vida em um novo país.

Conheça a história de Gedeão Vasconcelos, pastor da Igreja Batista Regular de Pacaraima, que abriu a porta do templo e da sua própria casa para que homens, mulheres e crianças venezuelanas recuperem a dignidade e a esperança para um recomeço de vida.

Pastor Gedeão na Igreja Batista de Pacaraima

“Meu nome é Gedeão e tenho 34 anos. Minha profissão é mestre de obras. Sou natural de Manaus, no Amazonas, mas há 10 anos vivo em Roraima onde já fui missionário em várias cidades do interior, como São João da Baliza e São Luiz do Anauá. Desde abril de 2018, sou pastor da Igreja Batista Regular de Pacaraima, onde moro com a minha esposa Sandra e os nossos quatro filhos – Geovani (18), Gustavo (16), Geovana (15) e Gabriel (8). 

Quando cheguei à Pacaraima para pastorear, a igreja só tinha quatro membros. Isso me entristecia muito, porque a gente tinha infra-estrutura pra trabalhar (um prédio grande e espaçoso), mas não havia pessoas. Aos poucos, eu comecei a conhecer a realidade da cidade e dos migrantes que vivem aqui. A situação deles é muito triste.

Eu não pensava que iria acolher os venezuelanos, mas a realidade da crise migratória mudou nossos planos. Atualmente temos 20 brasileiros congregando na nossa igreja, 46 migrantes venezuelanos e também um haitiano. Dentre eles, cerca de 20 crianças. Todos participam das atividades da igreja, dos cultos aos domingos e as crianças frequentam a escola bíblica dominical.

Além deles, mais 28 migrantes entre adultos e crianças estão dormindo na igreja todos os dias, pois não têm abrigo pra ficar, mas eles já foram cadastrados por voluntários de instituições humanitárias e em breve serão encaminhados pra outros estados brasileiros.

Meu sonho como Pastor, que conhece de perto as dificuldades dos nossos irmãos venezuelanos, é contribuir de forma mais prática pra que eles recomecem a vida no Brasil. Já temos um espaço pra começar uma escolinha que atenderia 25 crianças migrantes de 02 a 10 anos de idade, também temos professores e pedagogos voluntários, mas ainda falta o material didático e brinquedos.

Tenho outro grande sonho que é construir um refeitório comunitário pra oferecer duas refeições diárias – café da manhã e almoço – a aproximadamente 100 venezuelanos. A horta comunitária também é um dos projetos que estamos orando a Deus pra conseguir realizar. Já temos uma pequena lavoura no terreno da igreja onde plantamos chuchu, morango e banana. Muitos irmãos venezuelanos podem nos ajudar a ampliar o cultivo, e na época da colheita, eles venderiam o que plantaram. Esse projeto serviria para geração de emprego e renda.

Mas eu e minha família temos muita fé em Deus, e continuamos a fazer nossa parte que é servir, ajudando nossos irmãos que passam por necessidades. Como é que nós, sendo cristãos, não vamos acolher esse povo que já está tão sofrido? Chega a ser desumano agir diferente disso. Não podemos desistir das pessoas. Eu acredito que era isso que Jesus faria se Ele estivesse aqui no meu lugar.”

One Reply to “Pastor Gedeão: Não podemos desistir das pessoas, era isso que Jesus faria se estivesse no meu lugar”

  1. Prezado Pr. Gedeão,

    Nesse momento estou em Buenos Aires, em um período de estudos e sua história chegou até mim.

    Que alegria saber que Deus tem movido corações como o seu! Seu ministério é um incentivo! Que Deus te abençoe nesse desafio! Receba meu afetuoso abraço.

    Uelington Rocha

Deixe uma resposta