Visão Mundial oferece serviços de saúde a comunidades na Amazônia em meio à crise de COVID-19

Comunidades ribeirinhas na região amazônica receberão atendimento médico, materiais de higiene e informação para prevenir a COVID-19 – tudo isso a bordo de um barco-hospital operado pela Visão Mundial em parceria com a Igreja Presbiteriana de Manaus.

Esta será a segunda viagem do “Barco Solidariedade” desde a declaração global da pandemia. O barco sai da capital Manaus em 2 de agosto e, por cinco dias, atenderá a mais de 500 famílias de 11 comunidades ribeirinhas ao longo do Rio Solimões. A região é uma das mais vulneráveis do país que, segundo o Ministério da Saúde, tem quase 2,5 milhões de casos confirmados e 88.539 mortes causadas pelo COVID-19 até 28 de julho. Somente no estado do Amazonas, dados oficiais apontam mais de 99.000 casos confirmados e mais de 3.000 mortes.

“Estamos alcançando os mais pobres e as populações em grande vulnerabilidade, devido ao acesso extremamente limitado a serviços de saúde e medicamentos e a infraestrutura de comunicação deficiente. A maioria dos moradores da Amazônia são populações ribeirinhas, extremamente vulneráveis à COVID-19, e dificilmente têm acesso ao tratamento, devido à distância e dificuldade de locomoção”, explica Martha Yaneth Rodríguez, diretora nacional da Visão Mundial Brasil.

O barco hospital cruzará 11 comunidades prestando atendimento médico e odontológico, identificando pessoas que precisam de apoio médico, mas não conseguem devido à dificuldade de acessar grandes centros e serviços de saúde. Além disso, divulgará, por meio de materiais informativos e sessões educativas, sobre práticas saudáveis para impedir a propagação do vírus.
São necessárias mais de 18 horas de navegação para chegar à primeira comunidade, no rio Solimões. O principal objetivo da viagem é fornecer ajuda humanitária – com serviços de saúde e fornecer acesso a cestas básicas de alimentos, materiais educacionais, kits de higiene e informações para prevenir novas infecções.

“Também trabalhamos no quadro de uma emergência humanitária, seguindo as normas e códigos de conduta humanitários – com imparcialidade, ouvindo as necessidades da população e sem nenhum outro interesse que não seja reduzir o sofrimento humano”, ressalta Luiz Corzo, diretor de emergência em Visão Mundial Brasil. “Todos os procedimentos de saúde e atividades educacionais são desenvolvidos de acordo com os parâmetros da Organização Mundial da Saúde, em espaços abertos, com pequenos grupos e observando o distanciamento social”.
O Barco Solidariedade da Visão Mundial entregará 600 kits de higiene, 600 cestas básicas e 1.200 Caixas de Ternura, que são kits com material educativo para crianças para prevenção à COVID-19. As ações e materiais também levam informações sobre medidas preventivas contra a violência física e sexual, que tem aumentado durante a pandemia.

“Para prevenir e retardar o avanço agressivo do surto de COVI-19 na Amazônia, o Brasil exige soluções inovadoras para atingir os que estão em perigo”, explica Rodriguez. A Visão Mundial trabalha na região desde o início dos anos 90 para alcançar as comunidades mais vulneráveis.
Antes da pandemia, a Visão Mundial também usava o barco para promover programas educacionais para aumentar a alfabetização, garantir proteção e estimular o bem-estar e o desenvolvimento cognitivo de crianças de 4 a 11 anos, além dos serviços médicos na Amazônia.

“Nossa capacidade de alcançar e fornecer ajuda humanitária e educação preventiva para essas populações extremamente isoladas depende da disponibilidade de recursos muito escassos. Pedimos apoio financeiro de indivíduos, empresas, governos e agências de cooperação para manter nossa operação “, ressalta Rodríguez.